05 agosto 2010

Xilogravura / Wood Cut (Antônio)


  • Gravura em madeira sobre uma matriz de pau-marfim medindo 14.9X21.3 cm  e papel de impressão com 25X33cm.
  • Como podem ver eu gosto bastante de fazer retratos, principalmente de amigos. Esse é Antônio, ilustrador e gravador, antigo companheiro de muitas risadas no atelier de gravuras (você pode conhecer seu último trabalho como ilustrador no livro História da Moda no Brasil, editado esta semana).  
  • Essa gravura foi feita pelo método da "matriz perdida". No caso nem tão perdida assim, já que trabalhei com apenas três cores e duas reduções.
  • Utilizei para gravação algumas goivas japonesas de um conjunto comprado na McClain's-USA e outras, um pouco maiores, compradas no Mercado Livre, feitas por um artesão do Piauí. Utilizei também, para detalhes muito pequenos, um Dremel da Beltec (uma dica pra quem for gravar com Dremel em madeira: utilize sempre brocas de cone invertido (V invertido), dado que não será a base do V quem cortará a madeira, mas seu ápice, ou seja, o V de cabeça para baixo)
  • Foram impressas 28 cópias (pensando nas perdas por erros de impressão).
  • Como a gravura foi feita: primeiro foram impressas 28 cópias com chapada de cor creme. O próximo passo foi cortar a madeira de forma a que sobressaísse apenas a camisa (no caso de cor creme) e um brilho suspeito logo acima. Essa matriz foi impressa sobre as 28 cópias com a chapada creme. O terceiro passo consistiu em voltar à matriz e cortar a madeira de forma a que sobrasse apenas a figura principal. Sobre as 28 cópias foi impressa a imagem resultante, possibilitando que se obtivesse a imagem final, com a figura principal, e duas outras cores adicionais.
  • Logo à direita, entre o texto, aparecem duas imagens. Uma delas apresenta a matriz com o último corte, com o desenho em negro e a "tonagem" da madeira para facilitação do corte. A outra mostra a matriz entre as guarnições do prelo-de-provas pronta para receber a última impressão.
  • Imprimi com uma mistura de três marcas de tintas. Usei a cor creme feita por mim a partir de uma base incolor da Charbonnel e pigmento  sólido Sennelier. O cinza claro foi feito a partir da mistura da cor creme "home-made" com um pouco de negro da Speedball. O cinza escuro (não há a cor negra na gravura) foi obtido a partir do cinza claro com adição do negro da Sakura (Sakura Printing Oil Colors). Essa misturada toda faz sentido a partir da necessidade de obter diferentes viscosidades, uma vez que haveria sobreposição de três camadas de tintas a óleo sobre o papel não tão robusto.
  • Utilizei papel Canson 250 g/m2 próprio para desenho, sem rugosidade, de forma a produzir um efeito quase plástico das tintas.
  • As cópias ainda não estão completamente secas. Não sei quantas sobrarão após o "controle de qualidade".

Um comentário:

  1. Maravilhosa a sua arte!
    Perfeito o seu espaço!
    Sigo-te!
    Virei sempre...
    Abraço

    ResponderExcluir